Em véspera de eleições

[Passo a transcrever, parcialmente, um texto aqui publicado há precisamente três anos. A epígrafe de Jorge Menezes sugeriu-me algumas considerações que, passado todo este tempo, subscreveria hoje mesmo]
Sintra Armadilhada
“(…) Há dias recebi umas visitas do norte da Europa, e quis fazer um pequeno circuito na vila de Sintra com eles. Que horror! Que vergonha! Era sábado à tarde, começámos a caminhar na Volta do Duche, missão impossível, aquela quantidade de automóveis nas duas faixas desencorajava qualquer passeio. Fugimos para dentro do Parque da Liberdade, só pessoas, uma dádiva dos céus, saímos junto ao Palácio Valenças e mergulhámos outra vez no inferno, Sintra era um inferno, é preciso que estas palavras retumbem na cabeça dos responsáveis, Sintra assim é um Inferno! A descer o exíguo passeio da rua Visconde de Monserrate senti verdadeiro medo: e se aquele autocarro gigante tombar, fico esmagado…. Mas o Inferno não acabava aqui. Para fugir mais uma vez a tão deplorável espectáculo, desci com os visitantes as Escadinhas do Hospital. Um nó na garganta, todos aqueles edifícios nas Escadinhas são uma acabada ruína, não uma ruína romântica, mas uma imagem de desleixo, incúria, incapacidade. Aconselho todos os meus amigos a não visitarem Sintra no Verão, a não ser que queiram usufruir de uma visão do Inferno!”
Para a vergonha,
que remédio?”
[Jorge Menezes, 13 de Agosto de 2014]
Este texto reproduz, integralmente, o comentário que Jorge Menezes subscreveu, na sequência do meu ‘post’ de ontem com o mesmo título. Ao transcreve-lo, pretendo dar-lhe o destaque absolutamente merecido, não arriscando que se perdesse no meio de tantas e tão pertinentes reacções.
Sem papas na língua, o Jorge escreve o que nos vai na alma, quando, ao viver e passar por certas experiências, na terra que tanto amamos e pela qual nos batemos com forças pessoais e dos grupos em que nos envolvemos, nos magoamos e sentimos uma ver-go-nha indizível. Uma vergonha imensa. Uma vergonha que nos desfaz.
Não quero retirar a Jorge o protagonismo desta denúncia. É a dele. Se ontem aqui a confessou, a verdade é que a tem partilhado há muito tempo. Sente-a há muitos anos. E, apesar de ser a enésima vez que a partilha, não pode estar mais bem acompanhado por uma série de amigos que comungam a vontade de alterar esta «cultura de desleixo» – feliz designação do ‘nosso vizinho’ Jorge Sampaio – que nos está a matar aos poucos, há demasiado tempo.
Saindo da singularidade do Jorge Menezes, dirijo-me para a pluralidade do seu grupo de cúmplices. Não, na realidade, não nos acusa a consciência de nada ou pouco fazer para alterar o ‘statu quo’.
Porém, a esmagadora maioria dos cidadãos da nossa comunidade não tem vida cívica. Não sabe o que é cidadania e intervenção, confundindo-as, tão somente, com a participação em manifestações e marchas de protesto, importantes, é certo, mas redutoras em relação à abrangência da realidade à qual me refiro.
Tendo estado tão destacadamente envolvido em vários movimentos cívicos, tanto em Sintra – por exemplo, no caso da rejeição do projecto de construção de um parque de estacionamento subterrâneo na Volta do Duche – como noutros lugares e, inclusive, no estrangeiro, sei que só operacionalizando os vários descontentamentos, será possível adequar a acção à resolução dos tais inúmeros casos que nos envergonham. (…)”
___________________________
E, finda a citação, a inequívoca e inevitável conclusão, a poucos dias de eleições locais. Nada ou muito pouco mudará, sejam quais forem as forças políticas em presença, se não se alterar radicalmente a atitude dos cidadãos.
É isso, ou seja, a Intervenção activa, vida cívica enriquecida, envolvimento comunitário, evitando a estafada repetição de sloganes eleitoralistas vazios de conteúdo.
Já que estão bem patentes todos os sintomas da actual e manifesta falta de qualidade de vida em pleno centro da sede do concelho de Sintra, «só» falta mesmo que os cidadãos actuem.
Muito naturalmente, e ao contrário do que até hoje tem vindo a acontecer, tal intervenção não pode resumir-se à atitude de ir depositar o voto nas urnas no próximo dia 1 de Outubro.
[Ilustr: Jorge Menezes]

 

João de Oliveira Cachado

https://www.facebook.com/joao.cachado

 

 

 

Anúncios