Visto que a tendência tem sido sempre a “comparação” do hospital de proximidade do Seixal com o de Sintra irei fazer uma demonstração entre as duas realidades, para termos a noção cabal, com factos e números das diferenças do que está a ser proposto.

Seixal

O Município do Seixal tem 184,269 habitantes (dados 2011), neste momento é servido pelo Garcia da Orta.

O concurso de construção é 10 Milhões, num Investimento total de 60 milhões de euros.

Será construído em terreno do Estado, numa zona sem habitação à volta.

Câmara do Seixal apoia através da isenção do pagamento de taxas municipais e a construção de acessos e infraestruturas, num valor próximo dos dois milhões de euros.

Está planeado ter:

  • Cuidados em ambulatório, com serviço de urgência básica 24 horas
  • Consultas externas diferenciadas
  • Meios complementares de diagnóstico e terapêutica e exames técnicos em várias especialidades.
  • Hospitalização de dia
  • Unidade de apoio domiciliário
  • Unidade de medicina física e de reabilitação
  • 72 camas, 60 de convalescença e 12 de cuidados paliativos

Especialidades (23):

Anestesiologia
Cardiologia
Cirurgia geral e Pediátrica
Cirurgia plástica
Cirurgia reconstrutiva
Dermatologia
Dor
Endocrinologia
Gastrenterologia
Ginecologia
Imagiologia
Medicina física e de reabilitação
Medicina Interna
Neurologia
Obstetrícia
Oftalmologia
Ortopedia
Otorrinolaringologia
Patologia clínica
Pediatria
Pneumologia
Reumatologia
Urologia

Sintra

O Município de Sintra tem 377,835 habitantes (dados de 2011)

É servido pelo Hospital Fernando Fonseca (HFF).

A autarquia investe 29,617 milhões de euros na “conceção e construção do Hospital de Proximidade de Sintra” e o Estado assume 21,660 milhões com “aquisição e instalação do equipamento”. Investimento total de 51,277 milhões.

Foi cedido gratuitamente à Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo uma área de 59.500 metros quadrados para a construção, esta área é bem servida de vias rodoviárias, e está inserido no bairro da Cavaleira no Algueirão

Está planeado ter:

  • Serviço de consulta externa todos os dias úteis,
  • Urgência Básica 24 horas por dia,
  • Cirurgia ambulatória e recobro,
  • Meios complementares de diagnóstico e terapêutica;
  • 1 unidade de cuidados continuados integrados (convalescença), com um total de 60 camas,
  • Exames,
  • Unidade de Saúde Mental,
  • Medicina Física de Reabilitação

Especialidades (19):

Anestesiologia
Cardiologia
Cirurgia Geral
Cirurgia Pediátrica
Cirurgia Plástica e Reconstrutiva e Estética
Gastrenterologia
Medicina Física e Reabilitação
Medicina Interna
Neurologia
Oftalmologia
Ortopedia
Otorrinolaringologia
Patologia Clínica
Pediatria
Pneumologia
Psiquiatria
Psiquiatria da Infância e Adolescência
Radiologia
Urologia

Conta ainda com os seguintes equipamentos/ valências:

3 salas de cirurgia e uma sala de reserva.

Refeitório do Pessoal com capacidade para 100 pessoas.

Cafetaria é destinada à venda de produtos ao público, utentes e seus familiares podendo também ser utilizada por profissionais. A capacidade é de aproximadamente 20 pessoas.

O Hospital de Proximidade de Sintra (HPS) terá uma Administração Partilhada com o HFF, concentrando-se a maioria dos serviços administrativos neste último.

O projeto contemplará local para futura construção de Heliporto, com boa ligação, em particular, ao Serviço de Urgência Básica.

Nas unidades de Convalescença, deve estar prevista a hipótese de ampliação futura, de um ou dois pisos.

Para efeitos de elaboração do projeto será considerado: a Circulação de Transportes Públicos: os arranjos exteriores, a circulação de transportes públicos, mais concretamente de autocarros, com paragens para deixar e recolher passageiros próximo das entradas do novo Hospital de Proximidade de Sintra.

 

Análise

Sintra tem o dobro da população de Seixal, e aliado a isso é visitada por mais de 1 milhão de pessoas anualmente, é o segundo maior concelho do país, e tem a maior freguesia, em termos de população, da Europa (Algueirão Mem Martins). (Censos 2011)

Apesar de ter sido constituído um grupo de trabalho, o mesmo ficou condicionado desde o inicio, pois estava definido um “Polo Hospitalar” de Sintra, e com determinado conjunto de valências.

Neste grupo de trabalho não há informação se foram envolvidas outras entidades, como a Ordem dos médicos / enfermeiros, utentes, associações, população em geral. Assim o grupo de trabalho, ficou reduzido à opinião de 3 pessoas:

  1. a) José Miguel Marques Boquinhas – Coordenador Nacional para Projetos Inovadores em Saúde – em representação do Ministério da Saúde
  2. b) Domingos Linhares Quintas, em representação do Município de Sintra;
  3. c) Laura Maria Figueiredo de Sousa Dâmaso da Silveira, em representação da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, I. P.

O processo de financiamento foi pioneiro no país, nunca uma câmara comparticipou desta forma a construção de um hospital.

Além deste HPS, está igualmente previsto a ampliação do Hospital de Cascais para servir 8 freguesias de Sintra, Sintra tem 11 freguesias.

O HPS estará inserido num bairro que ainda não foi rececionado legalmente pela CMS, isto apesar de já ter mais de 15 anos.

O número de camas de Convalescença nos futuros hospitais será o mesmo (60), apesar de Sintra ter o dobro da população, e ter uma dimensão turística completamente diferente, custa a entender a igualdade de oferta.

Os cuidados paliativos em Sintra serão inexistentes, ao contrario do Seixal, que terá 12 camas.

Sintra terá menos especialidades do que Seixal, nomeadamente: Dermatologia, Dor, Endocrinologia, Ginecologia, Imagiologia, Reumatologia.
E terá outras que Seixal não tem: Psiquiatria, Psiquiatria da Infância e Adolescência

Que estudos ou indicadores sustentam a diferença? Onde podem ser consultados?

Sintra é o concelho de Portugal que mais usa a VMER, no entanto a urgências prevista é básica, para casos de menor complexidade, os casos de maior complexidade são reencaminhados para os serviços de urgência especializados, para o HFF ou Cascais.

Entretanto vêm a público a intenção do Grupo CUF de abrir um hospital privado na zona de Mem Martins, coincidências?
Também não deixa de ser caricato que a apresentação do HPS seja feita numa tenda no alto do bairro da Cavaleira onde será construído o HPS, e este hospital privado seja apresentado no MUSA.

 

(A minha) Conclusão:

É certo que já existem moradores descontentes com a localização do hospital, com certeza o bairro da Cavaleira terá mais trânsito, mais poluição, será mais devassado, e logo será menos tranquilo, também aqui, onde a população vai perder o seu recato não houve uma consulta popular.

No Seixal, conforme atestam as imagens disponíveis, o hospital será construído numa zona erma que permite, em caso de necessidade um maior crescimento do mesmo no futuro, e assim evitar desconforto para a população.

Ainda relativamente ao terreno, temos o exemplo do Município de Lisboa que vende terrenos municipais por milhões de euros ao Estado para a construção de um hospital, no entanto por Sintra é cedido de forma gratuita. (Novamente os sintrenses são prejudicados)

Sintra tem disponível um terreno doado precisamente construir um hospital… o terreno em causa continua sem uso.

O HPS proposto não é suficiente para a totalidade do concelho, das 11 freguesias de Sintra irá servir 3.

Há sintrenses que vão ser prejudicados pois vão ter de se deslocar para fora do seu concelho, mesmo tendo o HPS novinho em folha, pago com os seus impostos municipais e estatais.

Será beneficiada uma parceria publico privada (PPP), e o novo hospital privado (CUF), a PPP com um acréscimo de investimento e utentes em prol de um hospital público, o privado pelas incapacidade de resposta do HPS proposto, e claro quem consiga pagar.

Há sintrenses que vão ver o seu dinheiro investido em algo que não vão beneficiar no imediato e podem nunca beneficiar.

O HPS nunca foi colocado em discussão pública, ou seja nunca foi devidamente escrutinado e a população nunca teve uma palavra a dizer.

Seixal comparticipa com 2 Milhões e Sintra com 15x mais, por um hospital de proximidade com menos especialidades, menos camas, mas que serve uma área maior e mais pessoas.

O HPS deveria contar com uma VMER de forma a retirar carga à VMER do HFF e proporcionar um apoio mais rápido, por exemplo à zona rural e ao litoral, não esquecer os visitantes que passam por Sintra.
Se está previsto no futuro existir um heliporto, não faz sentido o HPS estar já dotado de um sistema de Urgência especializada, mais completa?

Os munícipes de Sintra são cobrados a dobrar para o serviço nacional de saúde, pelo governo central, e pelo governo local. Algo único a nível nacional.

Esta decisão e construção carecem de fundamento técnico independente, e da pluralidade de opiniões que se esperaria num investimento tão avultado e de tamanha complexidade.

Esta vontade, quer do atual executivo municipal, quer do governo central deveria ter sido devidamente aproveitada para Sintra ter o hospital que merece, que o sirva na totalidade, que sirva para as gerações atuais e as futuras. (Ainda vamos a tempo?)

Este hospital de proximidade tem um travo amargo, divide os munícipes na prestação de cuidados de saúde e boicota o verdadeiro hospital que o concelho precisa.

De que serve, ou significa, ser o segundo maior concelho do país, com a maior freguesia da Europa, um dos mais visitados, dos principais contribuidores para o PIB nacional, se nem um hospital digno e que nos sirva temos direito?

Esta é a pergunta a colocar aos nossos representantes municipais e nacionais.

 

Nuno Agostinho

 

Fontes:

https://dre.pt/home/-/dre/75729330/details/maximized?serie=II&day=2016-11-11&date=2016-11-01&dreId=75729325

http://www.cm-seixal.pt/hospital-no-seixal/2017/hospital-no-seixal

http://www.cm-seixal.pt/sites/default/files/documents/venha_conhecer_o_hospital_no_seixal_v1.pdf

http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/lisboa-vende-mais-terrenos-ao-ministerio-da-saude-para-alojar-novo-hospital

https://drive.google.com/file/d/0B6Dt2bqkL0hyaE1vWW5lTm1vaVk/view

http://sintranoticias.pt/2017/06/26/ministro-da-saude-considera-novo-hospital-sintra-beneficia-regiao/

http://sintra.bloco.org/sites/default/files/sintese_programa_func_hps1.pdf

http://sintranoticias.pt/2017/06/26/novo-hospital-sintra-anunciou-basilio-horta/

Anúncios