O relançamento do Prémio Nacional das Artes do Espectáculo, Maria João Fontaínhas (PNAEMJF), continua adiado a pretexto das mais variadas e descosidas razões, que pretendem esconder a razão principal. A iniciativa, bienal, tinha como objectivo dinamizar a escrita dramática e ainda guiões para a montagem de espectáculos na área das artes performativas. O adiamento consecutivo, para além de ser uma espécie de tentativa de segunda morte da actriz do Chão de Oliva, precocemente falecida, é paradigmático da actual política cultural dos “três cês”(1), imposta pela dupla ainda em funções, Basílio Horta/Rui Pereira.

Há uns meses, escrevia neste mesmo espaço: “A decisão de congelar o PNAEMJF consubstancia a orientação política para a cultura da actual dupla Basílio Horta/Rui Pereira,  assente nos “três cês”: cortar ao máximo os apoios à actividade cultural, essencialmente à desenvolvida pelos agentes culturais. Esta prática rejeita Regulamentos (que possam imprimir transparência), previamente discutidos pela comunidade e aprovados por quem tem a decisão política, como foi prometido durante a campanha eleitoral, e deixa campo aberto ao livre arbítrio, ao controlo pelo “gosto artístico do vereador” e, eventualmente, às suas simpatias pessoais. É que, se para Basílio Horta a Maria João não lhe diz nada, como não lhe diz nada a história e a variada actividade cultural sintrense, já Rui Pereira, é praticamente da mesma geração da Maria João e, quem a conhecia, sabe que não era mulher para reverências aos transitórios do Poder. Será que a Maria João Fontaínhas está a pagar pelo fez ou, pior, pelo que não fez, segundo as bitolas desta “comissão liquidatária”?( 1).

O artigo tinha sido escrito na sequência de uma sugestão apresentada por um membro( do PSD) na Assembleia da União de Freguesias de Sintra, no sentido do Executivo da União pensar na possibilidade de chamar a si o relançamento do Prémio. Sugestão bem acolhida por todas as representações, à excepção da do PS que se manteve em silêncio, em obediência ao chefe, o Presidente da Concelhia, Rui Pereira. Eventualmente recados e avisos, embrulhados nas habituais mentiras, foram enviados. O facto é que, a caminho do final do mandato, o PNAEMJF continua bloqueado(2).

Um senhor que foi ministro do PS e posteriormente administrador da empresa Teixeira Duarte, dizia, na sua habitual verborreia que, “quem se mete com o PS leva!”.  Em Sintra, o núcleo duro deste partido, com a cumplicidade silenciosa de muitos militantes, a frase deste “intelectual” de uma das alas mais trauliteiras da direita do PS, faz escola. Como tal, se for preciso que a Maria João Fontaínhas “morra uma segunda vez”, pois que morra. Quem a mandou ser irreverente, expressar as suas discordâncias, fosse ele Vereador ou Chefe de Departamento, e pertencer à associação cultural que, pela sua independência, esteve sempre sob-mira? Um pequeno detalhe: daqui a uns anos, ninguém se lembrará do nome do actual Presidente da Concelhia do PS. O contrário não acontecerá com a Maria João Fontaínhas que, pelo seu trabalho na comunidade, em particular na área cultural, será lembrada como a primeira actriz formada em Sintra e que em Sintra desenvolveu o seu trabalho, na primeira Companhia de Teatro profissional. O nome dela na futura sala da ampliada Casa de Teatro de Sintra, malgrado a persistente obstrução da dupla Basílio Horta/Rui Pereira, isso mesmo perpetuará.

 

 

João de Mello Alvim  #  blog Três Parágrafos

https://tresparagrafossegundaedicao.wordpress.com

 

(NOTA – No mural da página do Facebook do Transferidor, o José Vaz, colocou o seguinte esclarecimento: “Sobre o Prémio Nacional das Artes do espectáculo Maria João Fontainhas informo que a proposta de alterações ao regulamento foi submetida à apreciação da Assembleia Municipal de Sintra na 3ª sessão extraordinária de 27 de Abril de 2017, (4º ponto da ordem de trabalhos), tendo sido votada favoravelmente por unanimidade. A proposta levava parecer favorável da comissão especializada que tinha reunido previamente por 2 vezes para apreciar e dar parecer. Estão assim aprovadas pela A M Sintra, as alterações ao regulamento propostas pelo executivo municipal. Para melhor esclarecimento podem consultar a pagina da A M S no site da C M Sintra”. Mais acrescenta o José Vaz, ou Miguel Portelinha que é membro da AM Sintra: (…) conheci, gostava dela (Maria João Fontaínhas) enquanto pessoa, respeitei em vida e respeito e admiro o seu trabalho e obra pela cultura e pelo teatro, não só em Sintra. Por tudo isso fui um dos intervenientes empenhados para que esta situação ficasse resolvida. Pela parte que me toca julgo ter cumprido. Por tudo isso fui um dos intervenientes empenhados para que esta situação ficasse resolvida. Pela parte que me toca julgo ter cumprido”).

Naturalmente que tenho de agradecer a correcção, a serenidade com que foi transmitida e congratular-me com a decisão. Quanto à restante apreciação política, não retiro uma virgula – estamos a falar de um processo que se arrasta desde o início deste mandato, com os mesmos protagonistas no Executivo, nunca me referi à Assembleia Municipal.

 

(1)- https://tresparagrafossegundaedicao.wordpress.com/2017/01/08/a-politica-cultural-dos-tres-ces-em-sintra/

 

(2)- Pelas minhas contas, este Prémio o máximo que custou à CMSintra foi 6 000 euros, somando o prémio monetário e pagamento ao elemento convidado para o Júri – os restantes elementos, designados pela autarquia e pelo Chão de Oliva, não eram pagos A última edição(2012), que não teve vencedores, custou zero euros (zero).

Anúncios