Só damos por elas quando nos toca na pele.

O nosso egoísmo inconsciente impede-nos, por vezes, de observar a realidade com minúcia.

Agora, que tenho de empurrar uma cadeira de rodas de um familiar idoso, é que percebi as dificuldades enormíssimas que apresentam as ruas, edifícios públicos, restaurantes de Sintra. Falo da Vila de Sintra. Dessa mesmo, a mui nobre.

Defendo, como sempre defendi, a arborização das povoações. E em Sintra há vários movimentos e associações que estão sempre a denunciar o abate de árvores. De acordo. Têm sempre o meu apoio.

Mas como vamos resolver a questão dos plátanos plantados em passeios de peões com 80 centímetros de largura e que impedem a circulação de cadeira de rodas? Ou como entramos nos museus de Sintra? E se formos ao centro da Vila como fazemos?

Sintra esteve paralisada com Fernando Seara. Todos Sabemos. Foram 12 anos de estagnação. Mas a coisa não melhorou com Basílio Horta em todos os sectores.

Nunca gostei da figura de Basílio Horta e muito menos do seu vice-presidente. Creio que é um indivíduo arrogante e que não deixará saudades em Sintra. Tenho pena que se recandidate a presidente desta Câmara nas listas do PS. Até porque nem é, nunca foi e jamais será um socialista. E o PS teria outras figuras para apresentar como candidato. E que fosse um candidato de Sintra! Já agora! Conheço alguns que fariam deste lugar a grande paixão da sua vida e se entregariam de alma e coração ao serviço pelo bem-estar da população. O Partido Socialista está a esquecer-se de Sintra. Não é com arrogâncias que se fazem alianças que poderiam produzir resultados bem mais interessantes do que esta administração apresenta.

Marco Almeida esteve com Seara, ou seja, com a estagnação. A jogada política rasteira levou o sinistro líder do PSD a apoiar, agora, quem no passado saiu das fileiras do seu partido para alimentar uma ambição pessoal.

O que os faz correr por Sintra? Não será certamente a mui nobre vila.

Hoje, Sintra, é um polo fortíssimo e indiscutível de atracção turística. E o que oferece Sintra? Visitas rapidinhas e massificadas a museus nessa lógica hipermodernista de se dizer que se esteve nos lugares sem, de facto, os ter visto com olhos de ver. Nada prende quem nos visita a este lugar que poderia ser o mais belo e maravilhoso do nosso país e só não o é por incompetência política, por estratégia política, por jogadas políticas de uma política infame.

Sintra poderia ser a eterna capital da cultura de Portugal. Mas não o é graças ao actual vereador da cultura e vice-presidente da Câmara cuja pronunciação do nome seria uma afronta à dignidade de todos aqueles que defendem uma verdadeira política cultural, e particularmente a quem assina este texto, e a activação de projectos, que foram metidos na gaveta dos esquecimentos, e que só engrandeceriam a Sintra que amamos mas que alguns indigentes da política querem a todo custo fazer com que a detestemos.

Estamos em ano de eleições. Pensem nisso.

 

Luís Filipe Sarmento

Facebook, 30 de Abril  ##  https://www.facebook.com/luisfilipe.sarmento.7/posts/884994414974038

 

Anúncios